A Agonia da Síria

MADRID - Autor de nacionalidade inglesa e padre, William Ralph Inge, disse uma vez que "Um homem pode construir para si um trono de baionetas, mas não poderá sentar-se nele." No entanto, a dinastia Assad na síria parece acreditar que pode desafiar esta máxima.

Historicamente, poucos autocratas perceberam que a mudança produzida de forma pacífica pelo governo é a solução conservadora mais viável para as demandas populares e a melhor maneira de evitar uma revolução violenta. Esta é a sabedoria que Hosni Mubarak do Egipto, Muammar el-Kadafi da Líbia, Zine El Abidine Ben Ali da Tunísia e Ali Abdullah Saleh do Lémen não conseguiram aprender. É a lição central principal da Primavera árabe e aquela que o presidente sírio, Bashar al-Assad ignorou de forma sangrenta.

Um país cujo peso na política do Médio Oriente resulta mais do seu papel como motor do conflito israelo-árabe do que do seu objectivo militar ou poder económico, a Síria sob o domínio dos Assad sempre receou abandonar o confronto ideológico com o inimigo sionista, por recear que isso prejudicasse o regime. Na verdade, os especialistas explicaram a imunidade inicial da Síria à Primavera árabe, remetendo para a defesa convicta da dignidade árabe por parte do regime, reflectida na sua firme hostilidade em relação a Israel.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/0uK0W2F/pt;