Pedro Molina

Desarmar a Bomba-Relógio Síria

TEL AVIV – É notável que um aviso firme, relativo à dimensão da ameaça que a guerra civil Síria representa para os Estados Unidos, tenha passado praticamente despercebido. Estará o governo do Presidente Barack Obama a dar passos em direcção ao abismo?

No início deste mês, o Wall Street Journal relatou que, de acordo com o director adjunto da CIA, Michael Morell, “a mistura volátil, presente na Síria, de extremismo da Al Qaeda e de guerra civil representa hoje a maior ameaça à segurança nacional dos EUA” – na verdade, “é provavelmente a questão mais importante no mundo actual.” Em contraste, Morell descreveu a “combinação de… ambições nucleares com o desejo de ser uma potência hegemónica no Médio Oriente” do regime Iraniano como uma mera “causa para preocupação”. Morell, que se prepara para abandonar proximamente a CIA, tem poucas razões para ser dissimulado.

Apenas há dois meses atrás, em meados de Junho, quando a crise Síria estava no centro das atenções internacionais e constituía matéria de aceso debate político, uma tal afirmação proveniente de um alto funcionário administrativo teria suscitado fortes reacções de vários quadrantes. Mas desde então a Síria afastou-se do centro das atenções, substituída pelo golpe e pela crise contínua do Egipto, pela ameaça de uma ofensiva terrorista da Al Qaeda no Iémen e noutras paragens, e pela retoma das negociações Israelo-Palestinianas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/j7Q4Er6/pt;