px2588c.jpg Pedro Molina

Desarmar a Bomba-Relógio Síria

TEL AVIV – É notável que um aviso firme, relativo à dimensão da ameaça que a guerra civil Síria representa para os Estados Unidos, tenha passado praticamente despercebido. Estará o governo do Presidente Barack Obama a dar passos em direcção ao abismo?

No início deste mês, o Wall Street Journal relatou que, de acordo com o director adjunto da CIA, Michael Morell, “a mistura volátil, presente na Síria, de extremismo da Al Qaeda e de guerra civil representa hoje a maior ameaça à segurança nacional dos EUA” – na verdade, “é provavelmente a questão mais importante no mundo actual.” Em contraste, Morell descreveu a “combinação de… ambições nucleares com o desejo de ser uma potência hegemónica no Médio Oriente” do regime Iraniano como uma mera “causa para preocupação”. Morell, que se prepara para abandonar proximamente a CIA, tem poucas razões para ser dissimulado.

Apenas há dois meses atrás, em meados de Junho, quando a crise Síria estava no centro das atenções internacionais e constituía matéria de aceso debate político, uma tal afirmação proveniente de um alto funcionário administrativo teria suscitado fortes reacções de vários quadrantes. Mas desde então a Síria afastou-se do centro das atenções, substituída pelo golpe e pela crise contínua do Egipto, pela ameaça de uma ofensiva terrorista da Al Qaeda no Iémen e noutras paragens, e pela retoma das negociações Israelo-Palestinianas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/j7Q4Er6pt