A Evolução da Devolução

CAMBRIDGE – Os Escoceses pronunciaram-se. Uma maioria sólida votou contra a independência, no seu histórico referendo do mês passado. Mas o debate deixou bem claro que uma maioria ainda mais expressiva apoia uma maior devolução do poder económico, social e político no Reino Unido. E os movimentos regionais noutras partes da Europa – e à volta do mundo – apresentam exigências similares.

A lógica da devolução é simples. A Escócia, por exemplo, pode não querer um governo maior ou menor do que o actual, mas quer uma proporção diferente entre impostos e despesa. Quer mais controlo local. A Lei da Escócia de 2012, com entrada em vigor agendada para 2016, é um adiantamento desta desejada autonomia. O Primeiro-Ministro David Cameron, sabendo para que lado sopra o vento, prometeu mais.

Mas se a devolução é boa para a Escócia, então porque não para Gales ou para a Irlanda do Norte? Porque não para a Inglaterra, já agora? Um equilíbrio em que os Escoceses votem leis Inglesas, mas em que os Ingleses não possam votar leis Escocesas, não permanecerá equilibrado durante muito tempo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/HBUyA2u/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.