Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

morawczynski2_Drew AngererGetty Images_uber Drew Angerer/Getty Images

O seu motorista está à espera – de um aumento

TORONTO – No passado mês de Maio, logo antes da oferta pública inicial da Uber de 82,4 mil milhões de dólares, os motoristas da empresa, juntamente com os motoristas da sua plataforma congénere de transporte Lyft (muitos deles trabalham para ambas), participaram num dia internacional de acção laboral, realizando manifestações em 24 cidades, de Londres a Melbourne e a Nova Iorque, para exigir salários mais elevados e melhores condições de trabalho. Mas as queixas com empresas de transporte que cobram preços baixos aos passageiros e que extraem comissões chorudas aos motoristas não se limitam às economias ricas.

Em Julho, associações de motoristas em Nairobi, no Quénia, incitaram à paralisação dos que trabalham em serviços de transporte de base digital, nomeadamente na Uber, na empresa estónia Bolt (anteriormente Taxify), e na empresa local Little Cab, precisamente devido a tais reclamações. Embora os principais intervenientes tenham chegado a acordo no ano passado sobre um conjunto de princípios de pagamento, na prática pouco mudou.

A ascensão do trabalho baseado em plataformas (prestação de serviços mediados digitalmente) cria um dilema político. Por um lado, beneficia os consumidores ao proporcionar-lhes serviços a um custo baixo e a pedido, e pode beneficiar os trabalhadores ao permitir-lhes aceder a esses consumidores. No Quénia, pelo menos 6000 pessoas trabalham como motoristas para plataformas de transporte.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/stmeCqMpt;
  1. pisaniferry106_Mark WilsonGetty Images_phase one agreement trump china  Mark Wilson/Getty Images

    Explaining the Triumph of Trump’s Economic Recklessness

    Jean Pisani-Ferry

    The Trump administration’s economic policy is a strange cocktail: one part populist trade protectionism and industrial interventionism; one part classic Republican tax cuts skewed to the rich and industry-friendly deregulation; and one part Keynesian fiscal and monetary stimulus. But it's the Keynesian part that delivers the kick.

    4
  2. yu49_ShengJiapengChinaNewsServiceVCGviaGettyImages_G20trumpjinpingshakehands Sheng Jiapeng/China News Service/VCG via Getty Images

    PS Say More: Keyu Jin

    Keyu Jin assesses the “phase one” US-China trade deal, questions whether the US can ever accept China’s development model, and highlights a key difference in how the Hong Kong protests are viewed inside and outside China.