Como impulsionar o investimento estrangeiro

MADRID – A globalização económica, juntamente com um reequilíbrio do poder entre o Norte e o Sul do mundo, tornaram os países em desenvolvimento, e muitas das suas empresas, nos principais actores da economia mundial. Isto providencia uma nova razão para reforçar o quadro internacional com a finalidade de proteger o investimento estrangeiro.

Há muito, muito tempo... todo o investimento directo estrangeiro (IDE) derivava apenas de algumas fontes: os tradicionais estados ricos da Europa, da América do Norte e do Japão. Mas o investimento transfronteiriço de países como o Brasil, a Índia, a China está agora a fluir, não apenas para outras economias emergentes e de transição, mas também para os “velhos” estados exportadores de IDE.

Estas mudanças aumentaram a complexidade do regime de investimento internacional e deveriam ampliar o interesse em desenvolver um quadro de protecção do investimento mais eficaz. Mas só está a acontecer o oposto: um enfraquecimento progressivo da protecção, com os estados a desprezarem cada vez mais as suas obrigações do tratado e a contornarem ou a ignorarem os resultados dos procedimentos internacionais de resolução de disputas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3hg0N2J/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.