6

Espanha também se ergue

MADRID - Julho vai entrar para a história espanhola pelo seu início de enorme euforia, estimulado pelo recente triunfo de Espanha no Euro 2012. Mas todos os sinais indicam que o mês acabará em dúvida e em pessimismo. A imagem das multidões alegres e das bandeiras espanholas penduradas nos carros e nas janelas, deu lugar à de uma multidão de manifestantes a exibir cartazes e a protestar as mais recentes medidas de austeridade governamentais. Com um em cada quatro espanhóis desempregado e com os títulos de dívida soberana de Espanha classificados um nível acima de "lixo", Espanha parece estar prestes a cair no abismo.

Mas poucas análises atentas e profundas investigam os valores imediatos e avaliam os pontos fortes e os pontos fracos de Espanha. Hoje, os observadores tendem a esquecer que, até ao início da década de 1980, Espanha estava qualificada como um país em desenvolvimento, de acordo com as normas do Banco Mundial. De facto, juntamente com Singapura e com a Irlanda, Espanha representa a maior história de sucesso económico do último quarto do século XX. E não nos devemos esquecer que, juntamente com um salto impressionante no PIB per capita (de 7.284 dólares em 1980 para mais de 30 mil dólares em 2010), Espanha, sob a liderança inestimável do rei Juan Carlos, realizou uma transição bem-sucedida para a democracia e juntou-se à União Europeia.

Tais façanhas notáveis sempre implicam assimetrias importantes e pactos políticos; embora tenham sido fundamentais para a transição pós-Franco, quando os espanhóis ainda tinham medo de reviver as profundas divisões da guerra civil, elas amaldiçoaram o país até ao dia de hoje. Além disso, o sucesso de Espanha, juntamente com a política de crédito demasiado permissiva na zona euro, resultou numa bolha financeira, cujo colapso expôs desafios estruturais. Como resultado, Espanha exige agora um esforço concertado aos seus cidadãos, enraizado na confiança das suas realizações dos últimos 30 anos.

Uma das áreas que necessita de uma reforma importante é o mercado de trabalho. Os princípios das actuais leis laborais de Espanha datam de 1938, quando a guerra civil despedaçava o país. O sistema criado pelo Generalíssimo Francisco Franco, após a sua vitória, ofereceu aos trabalhadores segurança nos empregos e sólidos direitos de negociação colectiva, que ajudaram a manter a estabilidade social na ausência da democracia.