Coins of various currency.

Um passo em frente para a dívida soberana

NOVA IORQUE – Todos os países avançados têm legislação sobre falências, mas não existe um enquadramento equivalente para mutuários soberanos. Este vazio legal tem importância porque, como se vê agora na Grécia e em Porto Rico, pode sugar a vida às economias.

Em Setembro, as Nações Unidas deram um grande passo no sentido de preencher esse vazio, aprovando um conjunto de princípios para a reestruturação da dívida soberana. Os nove preceitos (a saber: o direito de um estado soberano a iniciar uma reestruturação de dívida, a imunidade soberana, o tratamento equitativo de credores, a reestruturação com o apoio da (super)maioria, a transparência, a imparcialidade, a legitimidade, a sustentabilidade, e a boa-fé nas negociações) formam os rudimentos de uma regra eficaz de direito internacional.

O esmagador apoio a estes princípios, com os votos a favor de 136 membros da ONU e apenas seis votos contra (liderados pelos Estados Unidos), demonstra a extensão do consenso global sobre a necessidade de resolver as crises da dívida de uma forma oportuna. Mas o próximo passo – um tratado internacional que estabeleça um regime global para falências que vincule todos os países – pode revelar-se mais difícil.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/fiePcN7/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.