money change hands out Edd Sowden/Flickr

Uma Regulamentação para a Dívida Soberana

NOVA IORQUE – Os governos precisam por vezes de reestruturar as suas dívidas. De outra forma, a estabilidade económica e política de um país pode ser ameaçada. Mas, na ausência de uma regulamentação internacional para a resolução de incumprimentos soberanos, o mundo paga por essas reestruturações um preço mais alto do que deveria. O resultado é um mercado da dívida soberana que funciona incorrectamente, marcado por conflitos desnecessários e por atrasos dispendiosos na resolução de problemas quando estes surgem.

Somos recordados deste facto uma e outra vez. Na Argentina, as batalhas das autoridades contra um pequeno número de “investidores” (os chamados vulture funds – NdT: fundos “abutre”, ou oportunistas) comprometeram toda uma reestruturação de dívida negociada (voluntariamente) por uma esmagadora maioria dos credores do país. Na Grécia, a maior parte dos fundos de “resgate” dos programas de “assistência” temporária são destinados a pagamentos aos credores existentes, enquanto o país é forçado a adoptar políticas de austeridade que contribuíram grandemente para um declínio de 25% no PIB e deixaram a sua população numa situação pior. Na Ucrânia, as potenciais ramificações políticas do desgaste causado pela dívida soberana são enormes.

Por isso, a questão de como deve ser gerida a reestruturação da dívida soberana, reduzindo a dívida a níveis sustentáveis, é mais premente que nunca. O sistema actual coloca uma fé excessiva nas “virtudes” dos mercados. As disputas são normalmente resolvidas não graças a regras que garantam uma resolução justa, mas por uma negociação entre partes desiguais, em que os ricos e poderosos normalmente impõem a sua vontade sobre os outros. Normalmente, os resultados obtidos não são apenas injustos, mas também ineficientes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/MEiw1jx/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.