A recently poached rhino carcass The Times/Getty Images

O paradoxo do rinoceronte da África do Sul

JOANESBURGO – No início deste ano, o Tribunal Constitucional da África do Sul anulou uma moratória de 2009 sobre o comércio de chifres de rinoceronte. Esta decisão foi um golpe devastador para os grupos de protecção dos animais, que tinham aclamado uma medida que veio alinhar a África do Sul com a proibição deste comércio a nível mundial, em vigor desde 1977.

No entanto, com a integração da decisão do tribunal se vai integrando, os criadores comerciais e os grupos de direitos dos animais enfrentam uma questão fundamental: poderia a criação de um mercado legal de chifres de criação refrear uma pandemia de caça furtiva que reivindica anualmente cerca de 1 500 rinocerontes selvagens?

Para a indústria do rinoceronte da África do Sul, a decisão do tribunal foi um marco decisivo. John Hume, o criador de rinocerontes mais bem sucedido do mundo, organizou o primeiro leilão online de chifres em Agosto. Argumentou no site do leilão que "a procura de chifres de rinoceronte é elevada e o comércio aberto de chifres tem potencial para satisfazer essa procura, a fim de evitar a caça ao rinoceronte".

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/SH9EytE/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.