4

A segunda oportunidade do Japão

TÓQUIO – O Presidente dos EUA, Barack Obama, está de visita a Tóquio num momento único da história do meu país, com a economia do Japão a mover-se em direcção a um novo caminho de crescimento estável que irá tirar o máximo proveito da sua posição geográfica. O Japão já não se considera como o “Extremo” Oriente; estamos, mais propriamente, no centro da Orla do Pacífico e somos vizinhos do centro de crescimento do mundo que se estende do Sudeste da Ásia até à Índia.

É inquestionável que este centro de crescimento continuará a impulsionar a economia do Japão para o futuro previsível. O investimento directo japonês está a expandir-se no Vietname e na Índia, por exemplo, o que irá aumentar a procura por ferramentas de maquinaria japonesas e bens de capital.

Mas, para maximizar as suas oportunidades, o Japão deve abrir ainda mais a sua economia e tornar-se num país que incorpora activamente capital, recursos humanos e sabedoria do exterior. O Japão deve ser um país capaz de crescer, canalizando a vitalidade de uma Ásia em crescimento.

Para alcançar este objectivo, temos acelerado severamente o ritmo das negociações sobre os acordos de parceria económica, ou APE, com vários parceiros em todo o mundo. No início deste mês, o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, e eu, chegámos a um acordo de princípio sobre um APE Japão-Austrália. O passo seguinte é a Parceria Trans-Pacífico (TPP), que unirá 12 países na maior área de negociação do mundo.