Xinhua/Zeng Tao via Getty Images

Garantir o Estado de direito no mar

TÓQUIO – O Japão nunca esteve em melhor posição para desempenhar um papel maior e mais pró-activo no sentido de garantir a paz na Ásia e no mundo. Apreciamos o apoio explícito e entusiástico dos nossos aliados e de outros países amistosos, incluindo todos os países membros da ASEAN e os EUA, a Austrália, a Índia, o Reino Unido e a França, entre outros. Todos eles sabem que o Japão defende o Estado de direito – para a Ásia e para toda a gente.

Não estamos sozinhos. Na maioria dos países da Ásia-Pacífico, o crescimento económico tem alimentado a liberdade de pensamento e de religião, bem como sistemas políticos mais responsáveis e receptivos. Embora o ritmo de tais mudanças varie de país para país, a ideia de Estado de direito tem ganhado raízes. E isso significa que os líderes políticos da região devem garantir o respeito pelo direito internacional.

Em nenhum lugar essa necessidade é mais nítida do que na área de direito marítimo internacional. A região Ásia-Pacífico atingiu um crescimento tremendo no espaço de uma geração. Lamentavelmente, uma grande e relativamente desproporcional parte dos frutos desse crescimento está a ir em direcção à expansão militar. As fontes de instabilidade incluem não só a ameaça de armas de destruição em massa, mas também – e mais directamente – os esforços para alterar o status quo territorial através da força ou coerção. E esses esforços estão largamente a ter lugar no mar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/5I82XSy/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.