A promessa da “Abenomia”

TÓQUIO - O programa do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, para a recuperação económica do seu país originou um aumento na confiança nacional. Mas até que ponto pode a “Abenomia” ser digna de crédito?

Curiosamente, um olhar atento sobre o desempenho do Japão durante a década passada dá pouca razão ao persistente sentimento baixista. Na verdade, em termos de crescimento do produto por cada trabalhador assalariado, o Japão tem feito um óptimo trabalho desde a viragem do século. Com uma mão-de-obra acanhada, o cálculo estandardizado para o Japão em 2012 - ou seja, antes da “Abenomia” - colocava o crescimento per trabalhador assalariado nos 3,08% ao ano. É um valor consideravelmente mais robusto do que o dos Estados Unidos, onde a produção por trabalhador cresceu apenas 0,37% no ano passado, e muito mais sólido do que o da Alemanha, onde diminuiu 0,25%.

No entanto, e tal como muitos japoneses sentem de forma justa, a “Abenomia” só pode ajudar na recuperação do país. Abe está a fazer o que muitos economistas (inclusive eu) têm apelado na Europa e nos EUA: um programa abrangente que implique políticas monetárias, fiscais e estruturais. Abe compara esta abordagem ao acto de segurar três setas - se dominar uma de cada vez, podem-se dobrar, se dominar as três ao mesmo tempo, nenhuma dobra.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/ivkqNH1/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.