Wally Gobetz/Flickr

Sequenciar um Vampiro

NEW HAVEN – A Tripanossomíase humana africana (THA) – também conhecida como doença do sono – tem atormentado, desde há muito, as populações da África Subsaariana. É uma infecção parasita, frequentemente fatal se não for tratada. E o tratamento é complexo, requerendo o tipo de pessoal médico altamente qualificado que dificilmente se encontra nas áreas afectadas. Os parasitas portadores da infecção – o Trypanosoma brucei gambiense na África central e ocidental e o T. b. rhodesiense na África oriental – são transmitidos pela picada de uma mosca tsé-tsé infectada (Glossina morsitans morsitan).

No início do século XX, epidemias de THA dizimavam populações em muitas regiões de África. Embora a triagem sistemática e o tratamento de milhões de pessoas tenham reduzido grandemente a transmissão da doença na década de 1930, o afrouxar desses esforços permitiu que a THA ressurgisse nas décadas de 1950 e 1960, atingindo níveis de epidemia no início da década de 1990. Uma campanha da Organização Mundial de Saúde conseguiu finalmente controlar a doença em 2008, ano em que apenas cerca de 10.000 pessoas a contraíram. Mas milhões permanecem em risco.

Claramente, as moscas tsé-tsé representam um sério perigo nas regiões que menos podem custear ou aceder a tratamento. E a ameaça não está limitada aos humanos. A tripanossomíase animal africana, ou nagana, é causada pelos parasitas Trypanosoma congolense, T. vivax, e T. brucei – todos eles transmitidos pela mosca tsé-tsé.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/ls6eemK/pt;