locke1_JEWELsAMADAFPGettyImages_boycandlevigilsrilanka Jewel Samad/AFP/Getty Images

Combater a violência com a evidência

SAN DIEGO/NOVA IORQUE – No relatório Caminhos para a paz do ano passado – resultado de um estudo conjunto realizado pelas Nações Unidas e o Banco Mundial – O secretário-geral da ONU, António Guterres, avisou que o mundo está a enfrentar um “ressurgimento dramático” de conflitos, que tem causado um sofrimento humano enorme e compromete significativamente a ordem mundial. Para que o mundo cumpra os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU – e proteja milhões de pessoas da violência mortal – têm de ser tomadas medidas urgentes para inverter esta tendência.

Não são só os conflitos que estão em alta. Segundo uma nova investigação do Small Arms Survey, 589 000 pessoas – incluindo 96 000 mulheres e raparigas – sofreram mortes violentas em 2017. São 7,8 mortes por 100 000 pessoas, a segunda taxa mais elevada desde 2004. Este aumento foi provocado principalmente por uma subida dos homicídios.

A manterem-se as tendências actuais, as mortes violentas aumentarão mais de 10% até 2030, atingindo os 660 000 anuais. Se as mortes decorrentes de conflitos continuarem a subir – devido ao aparecimento de novos conflitos armados ou ao agravamento dos existentes – e as taxas de homicídio dos países começarem a regredir para as dos piores estados nas suas regiões respectivas, mais de um milhão de pessoas será vítima de morte violenta todos os anos até 2030.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/dMr0KB6pt