Venezuela-Colombia migration Luis Acosta/Getty Images

Como alcançar os ODS

MEDELLÍN – Em Setembro de 2015, os líderes de 193 países concordaram em alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - o plano mais ambicioso se sempre de promoção do desenvolvimento humano - até 2030. Passados quase dois anos, há muitas razões para preocupação: o financiamento conseguido até ao momento não deverá ser suficiente e nem todos os países dispõem de dados adequados para medir a evolução no terreno. Isto é o suficiente para suscitar dúvidas até no optimista mais intransigente.

No entanto, ainda há muitas razões para manter a esperança. Visitei recentemente a Colômbia, que está finalmente a deixar para trás o seu conflito civil (que dura há décadas) com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), preparando-se para o sucesso dos ODS.

Em qualquer país, a concretização dos ODS exigirá que o governo, as empresas, as agências que prestam auxílio, os bancos multilaterais e a sociedade civil trabalhem em conjunto, adoptem abordagens flexíveis, partilhem conhecimentos, meçam os progressos de forma eficaz e reconheçam que os vários alvos estão interligados. A Colômbia parece estar consciente deste facto e está a prosseguir uma abordagem integrada que aproveita os pontos fortes de cada interveniente.

Comecemos pelo governo: segundo o ministro das Finanças da Colômbia, Mauricio Cárdenas Santamaría, o país está a adaptar os ODS às condições locais através do departamento de planeamento, utilizando o quadro dos ODS para orientar reformas relacionadas com a aplicação do acordo de paz com as FARC, a adesão à OCDE, o Plano Nacional de Desenvolvimento e o acordo climático de Paris.

Enquanto isso, sublinha Cárdenas, os decisores políticos da Colômbia estão a zelar por destacar os benefícios destes esforços - em domínios que vão desde os cuidados de saúde e a educação até ao emprego – junto do público. Reconhecem que uma abordagem "do topo para a base" não irá funcionar: para alcançar os ODS, todos os níveis do governo, a economia e a sociedade devem sentir-se associados aos objectivos, entendendo o impacto concreto que a sua realização terá.

Para levar o objectivo a bom porto, a Câmara de Comércio de Bogotá, liderada por Monica de Greiff, está a promover a sensibilização para os ODS junto dos seus 640.000 membros e a facilitar acções de formação profissional em sectores como a construção e os cuidados de saúde. O objectivo é a concretização dos ODS e o aumento simultâneo da competitividade geral da economia.

The World’s Opinion Page

Help support Project Syndicate’s mission

subscribe now

A boa notícia é que, segundo as palavras de Bruce MacMaster do grupo de defesa e reflexão empresarial de Bogotá (ANDI), as empresas dispõem de um forte incentivo para consolidar os benefícios do processo de paz, especialmente em zonas remotas onde os serviços governamentais tradicionalmente não chegam. Na verdade, em Medellín, outrora a capital mundial do tráfico de droga, os dirigentes de pequenas e grandes empresas que conheci já estão a integrar os ODS nos seus planos de negócios e cadeias de abastecimento.

O ANDI está a trabalhar no sentido de apoiar esse esforço, nomeadamente através da sensibilização entre diversos sectores, desde a exploração mineira até às bebidas, em prol do seu interesse em manter os seus recursos hídricos limpos e abundantes. O resultado será uma protecção mais substancial das bacias hidrográficas - fundamental para a concretização do Objectivo 6, relativo à água e ao saneamento, entre outros.

É evidente que num processo verdadeiramente ascendente é essencial um forte envolvimento com as comunidades locais e a sociedade civil. Além disso, os jovens colombianos já estão profundamente envolvidos na promoção e implementação dos ODS. Durante a minha visita, os líderes da juventude da Comuna 13 de Medellín mostraram orgulhosamente os progressos alcançados no seu bairro de baixo rendimento.

Na década de 1990, quando Medellín apresentava a maior taxa de homicídios do mundo, a Comuna 13 era uma das zonas mais perigosas da cidade. Actualmente é uma área com grande dinamismo, que beneficia de investimentos estratégicos em transportes públicos (incluindo teleféricos e novas estações de metropolitano), educação (bibliotecas e escolas) e segurança. Serão necessários investimentos estratégicos semelhantes em todo o país para garantir que ninguém fique para trás; sendo um dos objectivos fundamentais a capacitação de mulheres adultas e jovens.

A liderança dos governos municipais e regionais é particularmente importante para facilitar o progresso a nível local. Todos os ODS têm metas directamente relacionadas com as responsabilidades dos governos locais e regionais, particularmente em relação ao seu papel na prestação de serviços básicos. No entanto, é o ODS 11 - que se concentra em tornar as cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis - que constitui a peça fundamental do processo de adaptação ao local.

Esse processo tem o apoio do Banco Mundial, da ONU e de outros parceiros internacionais no domínio do desenvolvimento, que estão a envidar esforços para prestar um apoio mais eficaz e coordenado a todos os níveis de governo. No entanto, o sucesso exigirá que os governos locais melhorem de forma urgente a sua própria capacidade em domínios-chave, como o controlo de despesas, o aumento das receitas, a angariação de fundos responsável e a credibilidade.

Na Colômbia, o banco municipal de desenvolvimento FINDETER tem como objectivo promover essa aprendizagem, reforçando simultaneamente as finanças públicas dos governos locais e a sua capacidade de gestão e planeamento. Isto permitirá que os governos locais invistam de forma mais eficaz em infra-estruturas e na prestação de serviços, promovendo os objectivos de desenvolvimento local. As instituições de apoio como o FINDETER serão fundamentais para adaptar ao local o processo de implementação dos ODS com vista a alavancar os esforços dos governos locais noutros locais.

Para além do reforço de capacidades, os governos locais devem desenvolver inovações inteligentes. Na Colômbia, a inovação foi essencial para os progressos alcançados em Medellín no domínio da redução da criminalidade urbana e da violência, da melhoria da mobilidade e da atenuação da exclusão social. O mesmo pode dizer-se do sucesso que a cidade de Bucaramanga alcançou ao atrair investimentos privados e ao estabelecer parcerias público-privadas para melhorar a sua competitividade.

São necessários processos de planeamento cuidados, incluindo um forte quadro nacional e um acompanhamento eficaz para apoiar a inovação e antecipar possíveis desafios e choques. Por exemplo, na Colômbia, podem surgir barreiras decorrentes do tráfico contínuo de droga, bem como da actual crise na Venezuela, que está a levar milhares de pessoas desesperadamente pobres a galgarem a fronteira da Colômbia.

A Colômbia ainda tem ainda um longo caminho a percorrer até concretizar os ODS. No entanto, a sua abordagem de adaptação ao local e de integração colocou o país caminho certo. Outros países deveriam seguir o seu exemplo.

http://prosyn.org/S3LJYK7/pt;
  1. Television sets showing a news report on Xi Jinping's speech Anthony Wallace/Getty Images

    Empowering China’s New Miracle Workers

    China’s success in the next five years will depend largely on how well the government manages the tensions underlying its complex agenda. In particular, China’s leaders will need to balance a muscular Communist Party, setting standards and protecting the public interest, with an empowered market, driving the economy into the future.

  2. United States Supreme Court Hisham Ibrahim/Getty Images

    The Sovereignty that Really Matters

    The preference of some countries to isolate themselves within their borders is anachronistic and self-defeating, but it would be a serious mistake for others, fearing contagion, to respond by imposing strict isolation. Even in states that have succumbed to reductionist discourses, much of the population has not.

  3.  The price of Euro and US dollars Daniel Leal Olivas/Getty Images

    Resurrecting Creditor Adjustment

    When the Bretton Woods Agreement was hashed out in 1944, it was agreed that countries with current-account deficits should be able to limit temporarily purchases of goods from countries running surpluses. In the ensuing 73 years, the so-called "scarce-currency clause" has been largely forgotten; but it may be time to bring it back.

  4. Leaders of the Russian Revolution in Red Square Keystone France/Getty Images

    Trump’s Republican Collaborators

    Republican leaders have a choice: they can either continue to collaborate with President Donald Trump, thereby courting disaster, or they can renounce him, finally putting their country’s democracy ahead of loyalty to their party tribe. They are hardly the first politicians to face such a decision.

  5. Angela Merkel, Theresa May and Emmanuel Macron John Thys/Getty Images

    How Money Could Unblock the Brexit Talks

    With talks on the UK's withdrawal from the EU stalled, negotiators should shift to the temporary “transition” Prime Minister Theresa May officially requested last month. Above all, the negotiators should focus immediately on the British budget contributions that will be required to make an orderly transition possible.

  6. Ksenia Sobchak Mladlen Antonov/Getty Images

    Is Vladimir Putin Losing His Grip?

    In recent decades, as President Vladimir Putin has entrenched his authority, Russia has seemed to be moving backward socially and economically. But while the Kremlin knows that it must reverse this trajectory, genuine reform would be incompatible with the kleptocratic character of Putin’s regime.

  7. Right-wing parties hold conference Thomas Lohnes/Getty Images

    Rage Against the Elites

    • With the advantage of hindsight, four recent books bring to bear diverse perspectives on the West’s current populist moment. 
    • Taken together, they help us to understand what that moment is and how it arrived, while reminding us that history is contingent, not inevitable


    Global Bookmark

    Distinguished thinkers review the world’s most important new books on politics, economics, and international affairs.

  8. Treasury Secretary Steven Mnuchin Bill Clark/Getty Images

    Don’t Bank on Bankruptcy for Banks

    As a part of their efforts to roll back the 2010 Dodd-Frank Act, congressional Republicans have approved a measure that would have courts, rather than regulators, oversee megabank bankruptcies. It is now up to the Trump administration to decide if it wants to set the stage for a repeat of the Lehman Brothers collapse in 2008.