A Solução para a Europa

CAMBRIDGE – Ao que parece, a austeridade está fora de moda na zona euro, pelo menos para já. A Comissão Europeia concedeu mais tempo a Espanha, a França e aos Países Baixos para que reduzam a meta do défice abaixo dos 3% do PIB, conforme estabelecido pela União Europeia. Até mesmo as autoridades governamentais alemãs admitem agora que, para reanimar as economias da periferia da zona euro, é necessário algo mais do que o aperto do cinto orçamental.

Segundo a Comissão, esse "algo mais" traduz-se numa reforma estrutural: o abrandamento das restrições e de outros regulamentos dos mercados de trabalho, a liberalização das profissões de acesso restrito e a remoção dos controlos sobre os mercados de bens e serviços.

Mas isto significa apenas pôr vinho velho em odres novos. Desde o início da crise da zona euro, a troika (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) persistiu nessas reformas estruturais como parte de qualquer pacote de ajuda financeira. Desde o começo, a Grécia, Espanha e demais países foram informados de que estas reformas eram necessárias para estimular a produtividade e a competitividade e para ajudar a relançar o crescimento.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/CiIj16g/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.