Bombardear em nome da moral e dos bons costumes

NOVA IORQUE – O dom da palavra sempre foi o ponto forte do Presidente dos EUA, Barack Obama. Agora parece que as suas palavras o atraiçoaram.

Ao ter afirmado em Março que os Estados Unidos “não iriam tolerar o uso de armas químicas contra o povo sírio”, e ao ter falado no ano passado sobre uma “linha vermelha” que não podia ser ultrapassada, ele irá prejudicar a sua reputação se não reagir de forma convincente ao assassinato, supostamente cometido pelo regime sírio, de mais de mil civis com gás sarin. É claro que o risco de prejudicar a sua reputação não é uma boa razão para atacar outro país.

Mas por que é que o próprio Obama defendeu-se com tal retórica, em primeiro lugar? Porquê esta linha vermelha em particular? O secretário de Estado, John Kerry, estava certo ao chamar o uso de gás de  “uma obscenidade moral”. Mas também o é torturar crianças, que é como a guerra civil na Síria, na verdade, começou há mais de dois anos. E será que matar civis com agentes químicos é moralmente mais obsceno do que bombardeá-los, atingi-los a tiro ou deixá-los a morrer à fome até a morte?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/4d0o0xk/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.