Salvaguardar o Crescimento da Ásia

SEUL - Os países asiáticos emergentes devem orgulhar-se da sua resiliência económica. Apesar de uma economia global assolada por um fraco crescimento, de uma taxa de desemprego que se mantém elevada e da situação de endividamento extremo, as economias emergentes e em desenvolvimento da região cresceram a uma taxa média anual de 6,8% entre 2000 e 2010, dinamizando a produção global e reforçando os esforços de recuperação.

O sucesso da região foi apoiado pelo crescimento dinâmico na China e na Índia, que são responsáveis por cerca de 60% do PIB total do continente em termos de paridade de poder de compra. Além disso, as mudanças políticas económicas e as reformas estruturais que foram adoptadas na sequência da crise financeira asiática de 1997-1998 reduziram significativamente a vulnerabilidade da região aos choques financeiros ao longo da última década.

Mas a Ásia não pode ser complacente: os sistemas financeiros continuam frágeis; as economias estão sobrecarregadas com défices orçamentais e défices da balança de transacções correntes elevados e a Ásia continua a estar demasiado dependente dos mercados de exportação norte-americanos e europeus, aumentando a sua vulnerabilidade aos choques externos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/3uAbiWB/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.