Liberdade de Ida e Volta

NOVA IORQUE - Os meios de comunicação social ocidentais descrevem o meu amigo e colega Chen Guangcheng como um activista cego que embarcou num voo para a liberdade quando a China o autorizou a viajar de Pequim para os Estados Unidos. O essencial sobre Chen não é nem a sua cegueira, nem a visita da sua família aos EUA, mas o facto de ele defender uma visão dos direitos humanos universais, uma visão que apenas se poderá ser totalmente concretizada quando, e se, a China cumprir a sua promessa de o autorizar um dia a regressar a casa.

A China tem experiência em forçar ao exílio académicos e dissidentes como nós. Quando estalou o movimento estudantil chinês em 1989, eu estava a fazer um Doutoramento em matemática na Universidade da Califórnia em Berkeley. Viajei para Pequim para participar como activista na Praça Tiananmen, onde escapei, por pouco, do massacre e consegui viajar de volta para os EUA.

No entanto, a China recusou renovar o meu passaporte, devido ao meu activismo. Assim, quando regressei à China em 2002 para apoiar o movimento pelos direitos dos trabalhadores, usei o passaporte de um amigo. Estive detido na China como preso político durante cinco anos, até 2007. Durante um ano e meio desse período, fui mantido numa cela de isolamento, sem poder ter visitas, nem acesso a materiais de leitura, ou mesmo papel e caneta.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/iKHEfDW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.