ratti19_Javier EtcheverryVW PICSUniversal Images Group via Getty Images_rocinhafavela Javier Etcheverry/VW PICS/Universal Images Group via Getty Images

Colocando o Rio de Janeiro no mapa

BOSTON – O futuro do planejamento urbano pode estar na segunda maior cidade do Brasil. Mas não é ao longo da brilhante orla de Ipanema, negligenciada por abrigar alguns dos imóveis mais caros da América Latina. Tampouco está no Centro, reformado para as Olimpíadas de 2016 e agora foco de um grande plano de revitalização urbana. Para vislumbrar o futuro das cidades, deve-se passar pela Lagoa Rodrigo de Freitas até chegar ao bairro do Jardim Botânico e depois olhar para os morros, onde o imenso bairro da Rocinha está perigosamente empoleirado nas encostas.

O ritmo da urbanização em todo o mundo se acelerou drasticamente nos últimos anos. Em todo o planeta, o equivalente a uma nova Londres é construída a cada sete semanas. Esse crescimento explosivo consiste principalmente em “bairros informais”. No Brasil, são chamadas de favelas . A Rocinha é a maior das muitas favelas que pontilham o irregular terreno do Rio de Janeiro, com 100.000 a 200.000 habitantes, dependendo da estimativa em que se confie.

As favelas surgiram no final do século 19. Após a abolição da escravatura em 1888, multidões de libertos e soldados dispensados ​​começaram a construir suas casas com materiais improvisados ​​nas periferias das cidades brasileiras. Os bairros resultantes receberam o nome do tipo de árvore que os cercava por todos os lados. Hoje, cerca de 12 milhões de brasileiros vivem em favelas, onde o acesso dos moradores a serviços essenciais, como água e eletricidade, é limitado, e os riscos à saúde, incluindo tuberculose e hanseníase, são graves.

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/YfX05zCpt