O Mito da Especialização

CAMBRIDGE – Algumas ideias são intuitivas. Outras parecem tão óbvias depois de serem expressas que é difícil negar a sua verdade. São poderosas, porque têm muitas implicações não-óbvias. Colocam-nos num quadro mental diferente quando olhamos para o mundo e decidimos como agir sobre ele.

Uma dessas ideias é a noção de que as cidades, regiões, e países se deveriam especializar. Como não podem ser bons em tudo, devem concentrar-se no que fazem melhor – isto é, nas suas vantagens comparativas. Deveriam fazer algumas coisas muito bem e trocá-las por outros bens que se fazem melhor noutros sítios, explorando assim os ganhos do comércio.

Mas, embora algumas ideias sejam intuitivas ou óbvias, podem também ser erradas e perigosas. Como é normalmente o caso, não é o que não se sabe, mas o que erradamente se pensa saber, que nos prejudica. E a ideia de que as cidades e países acabam por seespecializar, e que por isso se deveriam especializar, é uma destas ideias muito erradas e perigosas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/JARZZ5w/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.