A economia vista pela perspectiva de um cérebro

CAMBRIDGE – No seu livro pioneiro de 2005, On Intelligence, Jeff Hawkins propõe um paradigma alternativo de como o cérebro humano funciona. Na sua opinião, o cérebro não é uma Máquina de Turing que manipula símbolos de acordo com uma tabela de regras, modelo em que se baseiam os computadores e a inteligência artificial. Em vez disso, o cérebro é uma memória hierárquica gigante que está constantemente a gravar o que percebe e a prever o que virá a seguir.

O cérebro faz previsões ao encontrar semelhanças entre os padrões de entradas sensoriais recentes e experiências anteriores armazenadas na sua vasta memória. Combina os sons fragmentários atuais, num mar de ruído, com uma canção conhecida ou o rosto de uma pessoa disfarçada com o dos vossos filhos. A ideia é semelhante à função de preenchimento automático na caixa de pesquisa do Google, por exemplo - adivinhando constantemente o que irá digitar, com base no que já digitou.

Para verem a hierarquia neste mecanismo, pensem que ao se perceber apenas algumas letras, consegue-se prever a palavra; quando se olha para algumas palavras, consegue-se adivinhar o que a frase significa, ou até mesmo o parágrafo. De facto, neste momento devem estar a supor até onde é que nos vou levar com este comentário. A hierarquia permite que se compreenda o significado, independentemente de a entrada no nosso cérebro ser feita através da leitura ou da audição. O cérebro é, portanto, uma máquina indutiva que prediz o futuro tendo como base o acto de encontrar semelhanças, a vários níveis, entre o presente e o passado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/OJgB6Os/pt;