A Luta pelo Domínio do Médio Oriente

BERLIM – As últimas ilusões sobre o que se apelidava, até recentemente, de “Primavera Árabe” poderão ter desaparecido. O golpe militar no Egipto aclarou as simples e deprimentes alternativas para o futuro do país: já não se trata de escolher entre uma democracia e uma ditadura, mas antes entre uma revolução (Islamita) e uma contra-revolução (militar) – uma ditadura ou uma ditadura.

Isto aplica-se não apenas ao Egipto, mas a quase todo o Grande Médio Oriente. E, porque ambas as partes optaram pela luta armada, o resultado será a guerra civil, independentemente do que os bem-intencionados ministros dos negócios estrangeiros da União Europeia decidirem em Bruxelas. Os Islamitas não podem vencer militarmente, tal como os generais não podem vencer politicamente, o que quase certamente garantirá o retorno da ditadura, da violência significativa, e de uma série de desastres humanitários.

Para ambas as partes, o domínio e o controlo absolutos são a única opção, embora nenhuma tenha sequer um entendimento rudimentar de como modernizar a economia e a sociedade. Portanto, qualquer que seja a parte que prevaleça, o autoritarismo e a estagnação económica prevalecerão mais uma vez.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/1rfnp4U/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.