Margaret Scott

Uma Europa da Solidariedade, Não Apenas da Disciplina

BERLIM – Originalmente, a União Europeia era o que os psicólogos chamam de “objecto fantástico”, um objectivo desejável que inspira a imaginação das pessoas. Eu encarava-a como a materialização de uma sociedade aberta – uma associação de estados-nação que abdicaram de parte da sua soberania por um bem comum e que formaram uma união onde nenhuma nação ou nacionalidade dominavam.

A crise do euro, no entanto, transformou a União Europeia em algo radicalmente diferente. Os países-membros dividem-se agora em duas classes – credores e devedores – com os credores no comando. Como é o país maior e mais digno de crédito, a Alemanha ocupa uma posição dominante. Os países devedores pagam substanciais prémios de risco para financiar a sua dívida pública, o que se reflecte nos seus elevados custos genéricos de financiamento. Isto empurrou-os para uma espiral deflacionária e colocou-os numa posição de substancial – e potencialmente permanente – desvantagem competitiva relativamente aos países credores.

Este resultado não é o reflexo de um plano deliberado, mas antes de uma série de erros políticos. A Alemanha não procura ocupar uma posição dominante na Europa, e está relutante em aceitar as obrigações e responsabilidades que uma tal posição acarreta. Chame-se a isto a tragédia da União Europeia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/3XeE8pO/pt;

Handpicked to read next