Invertendo a Renacionalização da Europa

NOVA IORQUE - Longe de diminuir, a crise do euro agravou-se nos últimos meses. O Banco Central Europeu conseguiu atenuar uma crise incipiente do crédito através da operação de refinanciamento de longo prazo (LTRO, na sigla inglesa), que emprestou mais de um bilião de euros aos bancos da zona do euro a uma taxa de 1%. Esta situação trouxe um alívio considerável aos mercados financeiros e a recuperação resultante abafou a ruína subjacente, mas é pouco provável que este efeito dure muito mais tempo.

Os problemas fundamentais não foram resolvidos, na verdade, o fosso entre países credores e devedores continua a aumentar. A crise entrou numa fase que pode ser menos volátil, mas que é potencialmente mais letal.

No início da crise, a ideia de uma ruptura da zona euro era inconcebível: os activos e passivos denominados em moeda comum estavam tão mesclados que uma situação de ruptura conduziria a um colapso incontrolável. Mas, com a evolução da crise, o sistema financeiro da zona euro tem sido progressivamente reorientado de acordo com os moldes nacionais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/kn6NkfM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.