Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

gaspard1_SEYLLOUAFP AFP via Getty Images_senegalpresidentsword Seyllou/AFP via Getty Images

Porque é importante a restituição cultural africana

NOVA IORQUE – O primeiro-ministro francês Édouard Philippe entregou um sabre antigo ao presidente senegalês, Macky Sall, no palácio presidencial em Dacar. Mas isto não se tratou de um presente. O sabre estava a regressar a casa, mais de um século depois de ter sido roubado.

A repatriação de um artigo com profundo significado histórico, espiritual e cultural pode parecer um mero gesto de compensação colonial. Mas esta cerimónia foi diferente, e tratou de muito mais que um único objecto físico. Com efeito, foi um ponto de viragem no reconhecimento pelo Ocidente dos danos culturais infligidos pelo colonialismo.

O sabre em questão pertenceu a El Hajj Omar Tall, fundador do Império Toucouleur, que se estendia do Senegal actual ao Mali e à Guiné. Tall foi um respeitado líder religioso e um combatente pela resistência anticolonial. A sua arma, juntamente com dezenas de milhares de outras peças pilhadas da herança Africana, estava em mãos francesas desde a década de 1890. Exibido em museus franceses, o sabre deixou de simbolizar as proezas militares de uma dinastia em tempos poderosa, contando em vez disso a história da dizimação de um império africano, e legitimando desse modo o racismo e o preconceito que sustentaram o período colonial.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/QMBsQp7pt;

Edit Newsletter Preferences