O regresso do prodígio americano

Viena – como é habitual no início de um novo ano, estatísticas imponentes e prognósticos tendenciosos estão a ser anunciados em todo o mundo aos quatro ventos. Por exemplo, espera-se que em 2016 a China substitua os Estados Unidos no lugar de maior economia do mundo. E que por volta de 2040 a população da Índia terá atingido 1,6 mil milhões de habitantes, ultrapassando a China que terá estagnado uma década antes.

Talvez a projecção mais sensacional seja a de que os EUA se tornarão num exportador de energia, por volta de 2020, e que serão auto-suficientes 15 anos depois, devido à oferta abundante de gás de xisto de baixo custo e à descoberta de reservas gigantescas de petróleo em todo o lado, desde a Dakota do Norte até ao Golfo do México. Apesar da oposição dos grupos ambientalistas, estas reservas serão mais fáceis de explorar do que as da Europa, pois a grande maioria localiza-se em zonas pouco povoadas.

Como resultado, a energia será significativamente mais barata nos EUA do que na Europa ou na China, num futuro previsível. Na verdade, a extracção de gás de xisto é tão favorável a nível económico que até mesmo o gás norte-americano que fosse exportado para a Europa custaria menos 30% do que o valor que a gigante energética russa Gazprom cobra actualmente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/Pw3YGMf/pt;