O Mundo Sem a América

NOVA IORQUE – Deixem-me propor uma ideia radical: a ameaça mais crítica que os Estados Unidos enfrentam hoje e no futuro previsível não é uma China ascendente, uma Coreia do Norte imprudente, um Irão nuclear, o terrorismo moderno, ou as alterações climáticas. Apesar de todas estas serem ameaças potenciais ou actuais, os maiores desafios que os EUA enfrentam são a sua dívida em expansão, o desmoronamento das suas infra-estruturas, escolas primárias e secundárias de segunda categoria, um sistema de imigração desactualizado, e um crescimento económico lento – em resumo, os alicerces internos do poder Americano.

Os leitores de outros países podem sentir-se tentados a reagir a este julgamento com uma dose de gozo pela desgraça alheia (NdT: schadenfreude, em alemão no original), recolhendo mais do que uma pequena satisfação nas dificuldades Americanas. Tal resposta não devia surpreender. Os EUA e aqueles que os representam têm sido culpados de arrogância (NdT: hubris, em grego no original) (os EUA podem frequentemente ser a nação indispensável, mas seria melhor se outros o confirmassem), e exemplos de inconsistência entre as práticas da América e os seus princípios implicam compreensivelmente acusações de hipocrisia. Quando a América não adere aos princípios que prega aos outros, isso gera ressentimento.

Mas, como a maioria das tentações, o regozijo relativo às imperfeições e desafios da América deve ser contrariado. As pessoas à volta do globo deveriam ter cuidado com aquilo que desejam. O falhanço da América em lidar com os seus desafios internos arrastaria um preço elevado. De facto, o interesse do resto do mundo no sucesso Americano é quase tão grande como os próprios EUA.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/K1hixoo/pt;