Paul Lachine

Explorar o boom das remessas

ROMA – Há mais de uma década que as economias da Ásia têm estado em movimento - e assim tem estado também o seu povo. A escala de migração das zonas rurais para as áreas urbanas, e além-fronteiras internacionais, é algo historicamente sem precedentes; e a Ásia do século XXI é o seu ponto central.

Nos países em desenvolvimento da Ásia, o poder e as potencialidades das remessas - o dinheiro que os trabalhadores migrantes enviam para casa às suas famílias (muitas das quais vivem em áreas pobres e remotas) - são imensos. Actualmente, mais de 60 milhões de trabalhadores migrantes oriundos da região Ásia/Pacífico são responsáveis por mais de metade de todos os fluxos de remessas para os países em desenvolvimento, tendo enviado para casa cerca de 260 mil milhões de dólares, em 2012.

A China, a Índia e as Filipinas são os três maiores receptores de remessas, embora o Bangladesh, a Indonésia, o Paquistão e o Vietname também estejam no top ten. O dinheiro é muitas vezes uma tábua de salvação: estima-se que 10% das famílias asiáticas dependem de pagamentos do exterior para obterem a sua alimentação, vestuário e habitação.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/DfFgtzg/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.