O Bangladesh em Busca de Justiça

NOVA DELI – A maré humana que ocupou a zona de Shahbag, situada em Dhaka, na capital do Bangladesh, nos últimos dois meses, reivindicava algo fora do comum- pelo menos, para o habitual no subcontinente indiano. Os manifestantes reivindicavam justiça para as vítimas dos massacres genocidas de 1971, que conduziram à separação do antigo Paquistão Oriental do Paquistão.

As manifestações foram espontâneas, desorganizadas e caóticas, mas foram igualmente acaloradas e extraordinariamente pacíficas. Grande parte dos milhares de manifestantes de Shahbag é demasiado jovem para ter tido uma experiência pessoal nos assassinatos que marcaram a brutal e vã tentativa do Exército paquistanês de suprimir o incipiente movimento de independência. Mas há um ideal que os anima - a profunda convicção de que a cumplicidade num assassínio em massa não deve ficar impune e que a justiça é essencial para cicatrizar por completo as feridas com quatro décadas da sociedade do Bangladesh.

O aspecto curioso deste acontecimento é o facto de o subcontinente ter preferido esquecer as injustiças monstruosas que marcaram a sua história recente. Um milhão de pessoas perdeu a vida na barbárie da divisão do subcontinente em Índia e Paquistão e 13 milhões de pessoas foram deslocadas, a maior parte delas compulsivamente. Mas não se verificaram quaisquer acusações de crime, nem muito menos julgamentos e condenações.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/619mh5b/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.