acemoglu34_SAUL LOEBAFP via Getty Images_zuckerbergprotest Saul Loeb/AFP via Getty Images

Os CEOs são o problema

CAMBRIDGE – Recentemente, a ExxonMobil anunciou um plano de cinco anos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e está divulgando anúncios apregoando seu compromisso com um futuro verde. A gigante do tabaco, Philip Morris, está divulgando seus planos para ajudar fumantes a parar de fumar. O Facebook está pedindo novos regulamentos para a Internet. E essas mudanças ocorreram menos de dois anos depois que a Business Roundtable, representando os CEOs das maiores corporações dos EUA, divulgou uma declaração pedindo que as empresas atendam a todas as partes interessadas.

Os executivos corporativos de hoje estão inaugurando uma nova era de responsabilidade corporativa? Ou estarão eles apenas protegendo o próprio poder?

Por décadas, líderes empresariais e proeminentes acadêmicos acreditavam que o único compromisso das empresas seria para com seus acionistas. Anteriormente uma visão periférica, a publicação de um editorial de opinião de Milton Friedman no New York Times  em 1970 –  “A Responsabilidade Social das Empresas é Aumentar seus Lucros” – mudou essa perspectiva para o convencional. Isso ganhou ainda mais impulso dentro do ambiente acadêmico após uma série de artigos de Michael Jensen, da Harvard Business School, que ofereceu suporte teórico e empírico para a doutrina de Friedman. Por exemplo, em um influente jornal, Jensen e Kevin Murphy, da Universidade do Sul da Califórnia, estimaram que o salário médio do CEO aumentou apenas US$ 3,25 para cada US$ 1.000 de valor que ele tenha criado, apontando para a necessidade de um vínculo ainda mais estreito entre a remuneração dos executivos e o valor para os acionistas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/Q4sfYTypt