A segunda oportunidade do Ocidente na Síria

NOVA IORQUE - O acordo de última hora entre a Rússia e os Estados Unidos, com vista a que as armas químicas da Síria fiquem sob o controlo internacional, confere ao Ocidente - que já tinha esgotado as boas opções - uma segunda oportunidade para alcançar o que deveria ter sido desde sempre o seu objectivo estratégico: a paz no Síria e o fim do sofrimento do seu povo.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, aproveitou o facto de os líderes ocidentais não terem formulado um objectivo central claro. Teriam esperança de pôr termo à guerra civil na Síria, forçando um impasse militar, ou de promover o fim do regime do Presidente Bashar al-Assad? Pretenderiam reforçar o direito internacional, proibindo a utilização de armas químicas, ou enviar ao Irão um sinal da sua determinação em impor "linhas vermelhas"?

A proposta russa forçou o Ocidente a optar pelo objectivo imediato de proibir as armas químicas. Tendo em conta que este é um dos poucos domínios de possível consenso no Conselho de Segurança das Nações Unidas, trata-se de um ponto de partida positivo para reparar as relações deterioradas entre os cinco membros permanentes do Conselho (China, França, Rússia, Reino Unido e EUA). É claro que o acordo pode revelar-se pouco mais do que uma manobra de diversão, travando o impulso para uma acção militar, não atingindo, contudo, o seu objectivo. A sua implementação será um teste à boa-fé da Rússia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/btgxIWV/pt;