Habitação contra habitat

CAMBRIDGE – De acordo com a célebre frase de Peter Drucker, o influente guru da administração: “O que não é medido, não pode ser realizado.” Podia ter acrescentado que o que não é bem medido produzirá um mau resultado.

Vejamos, por exemplo, o caso das habitações a preços moderados. A maioria dos países em desenvolvimento e muitos países ricos definem o seu défice habitacional em função do número de famílias que vivem em unidades habitacionais consideradas socialmente inaceitáveis. No entanto, o que se entende por inaceitável varia consideravelmente de país para país. A água canalizada, o saneamento básico e a electricidade são considerados essenciais nas Américas, mas não na Índia.

O problema reside no facto de as pessoas não exigirem casas, mas sim habitats. Uma casa é um objecto, um habitat é um nó que faz parte de uma multiplicidade de redes interligadas - físicas (energia, água e saneamento, estradas), económicas (transportes urbanos, mercados de trabalho, distribuição e comércio, entretenimento) e sociais (educação, saúde, segurança, família, amigos). A capacidade de estabelecer ligações a todas estas redes torna o habitat valioso.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/iDf5I7i/pt;