Re-Capturando os Friedman

BERKELEY – Sobre a minha secretária estão agora mesmo o novo livro do repórter Timothy Noah The Great Divergence: America’s Growing Inequality Crisis and What We Can Do about It (A Grande Divergência: a Crescente Crise de Desigualdade da América e o Que Podemos Fazer Sobre Ela – NdT) e o clássico de Milton e Rose Friedman Free to Choose: A Personal Statement (Livre para Escolher: um Depoimento Pessoal – NdT). Considerando-os em conjunto, a minha conclusão esmagadora é que os Friedman achariam hoje muito mais difícil a sua tarefa de justificar e defender o libertarismo do governo limitado, como aconteceu em 1979.

Nessa altura, os Friedman fizeram três poderosas afirmações factuais sobre como o mundo funciona – afirmações que pareciam verdadeiras ou talvez verdadeiras ou pelo menos discutivelmente verdadeiras na altura, mas que parecem agora ser claramente falsas. O seu caso para um libertarismo de governo limitado baseava-se grandemente nessas afirmações, e agora esse caso ruíu grandemente, porque o mundo, afinal, discordou deles relativamente ao modo como funciona.

A primeira afirmação era que as dificuldades macroeconómicas são causadas pelo governo, e não pelo instável mercado privado, ou, melhor, que a forma de regulação macroeconómica requerida para produzir estabilidade económica é directa e facilmente conseguida.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/kW2IBUW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.