A Fome Encoberta de África

DAR-ES-SALAAM – Há pouco mais de 20 anos, o fotógrafo Sul-Africano Kevin Carter chocou o mundo com uma controversa fotografia de uma criança Sudanesa faminta a ser observada por um abutre, durante um período de fome. Os críticos atacaram a foto como sendo “pornografia de catástrofe”, dizendo que não passava de mais um exemplo em como os media internacionais tratam os problemas Africanos com sensacionalismo.

Mas o que me perturba não é a fotografia. Em vez disso, é o facto de que, duas décadas mais tarde, as condições representadas na fotografia tenham permanecido basicamente as mesmas. Todos os anos, 3,1 milhões de crianças em todo o mundo ainda morrem de fome.

Como médico Africano, sei que os danos provocados pela subnutrição séria e pela fome provocam não são sempre visíveis. Não são sempre tão evidentes como nas costelas protuberantes de crianças fantasmagóricas ligadas a sondas para alimentação, que eu costumava ver nas enfermarias da Tanzânia. A subnutrição crónica, ou “fome encoberta”, manifesta-se de outros modos – mas pode ser igualmente devastadora e mortífera. E embora as mortes devidas a outras doenças, incluindo a subnutrição aguda, tenham decrescido, a fome encoberta permanece generalizada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/gzSyfVK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.