Skip to main content

Controlar a flexibilização monetária competitiva

MUMBAI – Enquanto o mundo luta para recuperar da crise económica global, as políticas monetárias não convencionais que muitos países avançados adoptaram a seguir à crise parecem ter ganhado ampla aceitação. Nessas economias, no entanto, onde a dívida paira ameaçadoramente, a política é incerta ou a necessidade de uma reforma estrutural restringe a procura interna, há uma pergunta legítima sobre se os benefícios destas políticas internas ramificaram as suas repercussões negativas a outras economias.

Mais problemático, o desrespeito pelas repercussões poderia colocar a economia global num caminho perigoso de políticas monetárias não convencionais “olho por olho e dente por dente”. Para garantir um crescimento económico estável e sustentável, os líderes mundiais devem reexaminar as regras internacionais do jogo monetário, com as economias avançadas e as emergentes a adoptarem de forma semelhante políticas monetárias mais benéficas mutuamente.

De facto, existe um papel para as políticas não convencionais como a flexibilização quantitativa (QE); quando os mercados estão debilitados ou grandemente disfuncionais, os banqueiros centrais precisam de pensar de forma inovadora. Na verdade, muito do que foi feito imediatamente após o desmoronamento do banco de investimento dos EUA Lehman Brothers, em 2008, foi o mais acertado, apesar de os bancos centrais não terem nenhum roteiro.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/cxNLnkW/pt;
  1. solana109_robert wallisCorbis via Getty Images_manhittingberlinwall Robert Wallis/Corbis via Getty Images

    The Partial Triumph of 1989

    Javier Solana

    The fall of the Berlin Wall in November 1989 marked the end not of a historical chapter, but of a paragraph. Although capitalism currently has no rival, it has proven its compatibility with illiberal forces.

    0
  2. sachs315_Pablo Rojas MadariagaNurPhoto via Getty Images_chileprotestmanbulletface Pablo Rojas Madariaga/NurPhoto via Getty Images

    Why Rich Cities Rebel

    Jeffrey D. Sachs

    Having lost touch with public sentiment, officials in Paris, Hong Kong, and Santiago failed to anticipate that a seemingly modest policy action (a fuel-tax increase, an extradition bill, and higher metro prices, respectively) would trigger a massive social explosion.

    1

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions