Controlar a flexibilização monetária competitiva

MUMBAI – Enquanto o mundo luta para recuperar da crise económica global, as políticas monetárias não convencionais que muitos países avançados adoptaram a seguir à crise parecem ter ganhado ampla aceitação. Nessas economias, no entanto, onde a dívida paira ameaçadoramente, a política é incerta ou a necessidade de uma reforma estrutural restringe a procura interna, há uma pergunta legítima sobre se os benefícios destas políticas internas ramificaram as suas repercussões negativas a outras economias.

Mais problemático, o desrespeito pelas repercussões poderia colocar a economia global num caminho perigoso de políticas monetárias não convencionais “olho por olho e dente por dente”. Para garantir um crescimento económico estável e sustentável, os líderes mundiais devem reexaminar as regras internacionais do jogo monetário, com as economias avançadas e as emergentes a adoptarem de forma semelhante políticas monetárias mais benéficas mutuamente.

De facto, existe um papel para as políticas não convencionais como a flexibilização quantitativa (QE); quando os mercados estão debilitados ou grandemente disfuncionais, os banqueiros centrais precisam de pensar de forma inovadora. Na verdade, muito do que foi feito imediatamente após o desmoronamento do banco de investimento dos EUA Lehman Brothers, em 2008, foi o mais acertado, apesar de os bancos centrais não terem nenhum roteiro.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/cxNLnkW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.