pesticide farmer crops Mohammed Asad/Corbis/Getty Images

Pruitt e a ameaça dos pesticidas

IBADAN, NIGÉRIA – Um novo relatório emitido pelas Nações Unidas (NU) assume uma posição controversa em relação aos pesticidas sintéticos. A sabedoria convencional diz que eles são essenciais para alimentar a crescente população mundial, que deverá atingir os nove mil milhões de pessoas até 2050. Mas os autores do relatório apelidam a nossa confiança nos pesticidas sintéticos de “uma solução a curto prazo que fragiliza o direito à alimentação e saúde adequadas para as gerações presentes e futuras”. Eles estão certos.

Como cientista da Nigéria, cujo trabalho centra-se no controlo das perdas pós-colheita, eu vi em primeira mão o que acontece quando o uso de pesticidas sintéticos não está devidamente regulamentado. No entanto, grande parte do mundo ainda segue a sabedoria convencional, com consequências desastrosas para a saúde pública.

Os Estados Unidos parecem estar preparados para aumentar ainda mais a sua utilização, já extensa, de pesticidas. No mês passado, o antigo procurador-geral de Oklahoma, Scott Pruitt, foi confirmado como diretor da Agência de Proteção Ambiental (EPA). Pruitt, que processou a EPA muitas vezes no seu cargo anterior, parece empenhado em reduzir o seu orçamento e desmantelar muitos dos seus regulamentos, incluindo os referentes a pesticidas, os quais são essenciais para garantir a segurança dos alimentos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/rDoqwaH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.