Tolerância ou guerra

WASHINGTON, DC – ao longo da história, os maus-tratos das minorias - sejam elas étnicas, religiosas, linguísticas, culturais, regionais, ideológicas, sexuais ou outras – têm alimentado a violência e devastado sociedades em todo o mundo. Casos flagrantes do século passado incluem o Holocausto na Alemanha nazi, os campos da morte do regime de ditadura do Khmer Vermelho, no Camboja, e o genocídio no Ruanda.

O abuso das minorias, e as respectivas reacções, estão muitas vezes ligados às linhas de divisão nas sociedades em conflito. As minorias tendem a sentir a desigualdade económica e a marginalização política. Esta tendência negativa não mostra sinais de diminuição. Enquanto os tratados internacionais, as leis nacionais, um número crescente de instituições cada vez mais fortes, a melhoria da educação e os esforços de grupos religiosos organizados para encorajarem o respeito pelas minorias podem ajudar a melhorar o problema, os esforços colectivos têm sido até agora lamentavelmente inferiores.

O problema não irá desaparecer até as pessoas deixarem de tolerar a intolerância. E a história recente – desde os massacres indiscriminados pelo Exército de Resistência do Senhor na África Central e Oriental, até aos ataques contra os cristãos pelos talibãs paquistaneses – dão provas de que o fanatismo permanece profundamente enraizado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/NVr9Kdn/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.