Ted Cruz Branden Camp via ZUMA Wire

Reformar ou Deformar o Fed?

BERKELEY – A silly season que constitui uma campanha eleitoral presidencial nos Estados Unidos deu uma guinada especialmente absurda, agora que os candidatos apresentam as suas propostas para a reforma da política monetária. Esta não é a primeira vez, claro está, em que os candidatos presidenciais propuseram alterar o modo de condução da política monetária dos EUA. Mas a natureza radical, e por vezes desmiolada, da safra actual de esquemas é excepcional em termos históricos.

A razão por que estas propostas atraem os candidatos e os votantes potenciais não tem qualquer mistério. Desde a crise financeira, a Reserva Federal dos EUA tomou uma série de medidas sem precedentes, cortando as taxas de juro até zero, expandindo enormemente o seu balanço, e resgatando instituições financeiras em dificuldades. Estas medidas pretendiam tratar os males da economia, mas a sua própria associação a esses males encoraja a crença de que são de alguma forma a sua causa subjacente.

Do mesmo modo, a participação do Fed em resgates de instituições financeiras em dificuldades é criticada por favorecer Wall Street relativamente a outros sectores (N.T.: no original, favoring Wall Street over Main Street). E, para além disso, o Fed é criticado por criar desigualdades, primeiro por manter reduzidas as taxas de juro, que penalizam quem tem rendimentos fixos, e agora por aumentar as taxas, o que coloca limites ao crescimento dos salários.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/itcZZwf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.