Um mundo de vulnerabilidade

ROMA – Em 2010, os líderes mundiais realizaram um dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) de reduzir para metade o número de pobres no mundo, a partir dos níveis de 1990 – cinco anos antes do previsto. Mas o aumento do desemprego e a queda dos rendimentos realçam a contínua ameaça da pobreza por todo o mundo. Afinal de contas, a pobreza não é um atributo inalterável de um grupo fixo; é uma condição que ameaça milhares de milhões de pessoas vulneráveis.

Apesar das suas falhas, as medidas de rendimento são úteis na obtenção de uma melhor compreensão sobre a extensão da pobreza e da vulnerabilidade em todo o mundo. Mas a linha de pobreza do Banco Mundial, a disposição individual de 1,25 dólares para gastos por dia (em termos de poder de compra-paridade), que é utilizada para medir o progresso em direcção à meta de redução da pobreza dos ODM, não é o único limiar relevante. Quando a linha de pobreza atinge a despesa diária de dois dólares per capita, a taxa de pobreza mundial sobe dos 18% para cerca de 40%, sugerindo que muitas pessoas estão a viver um pouco acima da linha de pobreza estabelecida, vulneráveis a choques externos ou a mudanças nas circunstâncias pessoais, tais como o aumento dos preços ou perdas de rendimento.

Três quartos dos pobres do mundo vivem em áreas rurais, onde os trabalhadores agrícolas sofrem a maior incidência de pobreza, em grande parte devido à baixa produtividade, ao desemprego sazonal e aos baixos salários pagos pela maioria dos empregadores rurais. Nas últimas décadas, a vulnerabilidade e a insegurança económica aumentaram com a subida do emprego transitório, casual e precário, incluindo o auto-emprego, os empregos a tempo parcial, a termo, temporários e on-call. O exercício de funções em casa, ocupadas muitas vezes por mulheres, também está em ascensão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/TRzI6RB/pt;
  1. An employee works at a chemical fiber weaving company VCG/Getty Images

    China in the Lead?

    For four decades, China has achieved unprecedented economic growth under a centralized, authoritarian political system, far outpacing growth in the Western liberal democracies. So, is Chinese President Xi Jinping right to double down on authoritarianism, and is the “China model” truly a viable rival to Western-style democratic capitalism?

  2. The assembly line at Ford Bill Pugliano/Getty Images

    Whither the Multilateral Trading System?

    The global economy today is dominated by three major players – China, the EU, and the US – with roughly equal trading volumes and limited incentive to fight for the rules-based global trading system. With cooperation unlikely, the world should prepare itself for the erosion of the World Trade Organization.

  3. Donald Trump Saul Loeb/Getty Images

    The Globalization of Our Discontent

    Globalization, which was supposed to benefit developed and developing countries alike, is now reviled almost everywhere, as the political backlash in Europe and the US has shown. The challenge is to minimize the risk that the backlash will intensify, and that starts by understanding – and avoiding – past mistakes.

  4. A general view of the Corn Market in the City of Manchester Christopher Furlong/Getty Images

    A Better British Story

    Despite all of the doom and gloom over the United Kingdom's impending withdrawal from the European Union, key manufacturing indicators are at their highest levels in four years, and the mood for investment may be improving. While parts of the UK are certainly weakening economically, others may finally be overcoming longstanding challenges.

  5. UK supermarket Waring Abbott/Getty Images

    The UK’s Multilateral Trade Future

    With Brexit looming, the UK has no choice but to redesign its future trading relationships. As a major producer of sophisticated components, its long-term trade strategy should focus on gaining deep and unfettered access to integrated cross-border supply chains – and that means adopting a multilateral approach.

  6. The Year Ahead 2018

    The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

    Order now