Um mundo de vulnerabilidade

ROMA – Em 2010, os líderes mundiais realizaram um dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) de reduzir para metade o número de pobres no mundo, a partir dos níveis de 1990 – cinco anos antes do previsto. Mas o aumento do desemprego e a queda dos rendimentos realçam a contínua ameaça da pobreza por todo o mundo. Afinal de contas, a pobreza não é um atributo inalterável de um grupo fixo; é uma condição que ameaça milhares de milhões de pessoas vulneráveis.

Apesar das suas falhas, as medidas de rendimento são úteis na obtenção de uma melhor compreensão sobre a extensão da pobreza e da vulnerabilidade em todo o mundo. Mas a linha de pobreza do Banco Mundial, a disposição individual de 1,25 dólares para gastos por dia (em termos de poder de compra-paridade), que é utilizada para medir o progresso em direcção à meta de redução da pobreza dos ODM, não é o único limiar relevante. Quando a linha de pobreza atinge a despesa diária de dois dólares per capita, a taxa de pobreza mundial sobe dos 18% para cerca de 40%, sugerindo que muitas pessoas estão a viver um pouco acima da linha de pobreza estabelecida, vulneráveis a choques externos ou a mudanças nas circunstâncias pessoais, tais como o aumento dos preços ou perdas de rendimento.

Três quartos dos pobres do mundo vivem em áreas rurais, onde os trabalhadores agrícolas sofrem a maior incidência de pobreza, em grande parte devido à baixa produtividade, ao desemprego sazonal e aos baixos salários pagos pela maioria dos empregadores rurais. Nas últimas décadas, a vulnerabilidade e a insegurança económica aumentaram com a subida do emprego transitório, casual e precário, incluindo o auto-emprego, os empregos a tempo parcial, a termo, temporários e on-call. O exercício de funções em casa, ocupadas muitas vezes por mulheres, também está em ascensão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/TRzI6RB/pt;