rodrik181_Luke DrayGetty Images_africa factory technology Luke Dray/Getty Images

O dilema da tecnologia dos países pobres

CAMBRIDGE – O desenvolvimento econômico depende da geração de empregos mais produtivos para uma parcela cada vez maior da força de trabalho. Tradicionalmente, foi a industrialização que permitiu aos países pobres embarcar nessa transformação. O trabalho fabril pode não ter sido glamuroso, mas permitiu que trabalhadores rurais se tornassem operários, consequentemente, transformando a economia e a sociedade.

Muitos países de baixa renda na África e em outros lugares esperam seguir um caminho semelhante no futuro. Embora ninguém espere necessariamente obter sucesso na escala da China e dos tigres do Leste Asiático antes dela, a industrialização e a integração nas cadeias de valor globais são vistas como essenciais para alcançar um crescimento econômico rápido – ou restaurá-lo após a pandemia do COVID-19 – e criar um grande número de empregos para a população jovem da África.

Antes da pandemia, os países africanos já haviam alcançado algum sucesso na industrialização. A Etiópia estabeleceu um setor de vestuário e calçados voltado para a exportação, com a ajuda de investidores chineses e europeus. A Tanzânia construiu um setor de manufatura com uso intensivo de recursos, voltado para atender aos mercados doméstico e regional. Recentes pesquisas sugerem que a desindustrialização prematura a que o continente estava sujeito pode ter sido interrompida ou mesmo revertida após o início dos anos 2000.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/VCgobeqpt