banda1_AMOS-GUMULIRA_AFP_Getty-Images_malawi-schoolgirl Amos Gumulira/AFP/Getty Images

As mulheres africanas devem estar na liderança

ZOMBA, MALAWI – Quando tinha oito anos, um amigo da família disse ao meu pai que achava que eu estava destinada a ocupar uma posição de liderança. O meu pai nunca me deixou esquecer aquela empolgante observação e, como resultado do seu constante incentivo, aproveitei todas as oportunidades que tive para seguir a profecia do nosso amigo. Hoje devo muito do meu sucesso ao meu falecido pai, cuja confiança nas minhas capacidades era inabalável.

Infelizmente, a maioria das raparigas africanas não têm a mesma sorte que eu tive. Embora muitas delas tenham qualidades de liderança, as barreiras sociais, políticas e económicas entravam as suas potencialidades. Isto é especialmente verdadeiro para as raparigas das regiões rurais de África, onde a pobreza, o abuso e a tradição conspiram para limitar as oportunidades.

A história chocante da minha amiga de infância, Chrissie, é ilustrativa. Chrissie era a melhor aluna da aldeia no Malawi, onde cresci. Contudo, teve de abandonar a escola secundária porque a sua família não podia pagar os 6 dólares de propinas mensais. Antes de completar 18 anos, Chrissie já era casada e tinha um filho; nunca saiu da aldeia onde nascemos.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/di7SQoOpt