antibiotics David Poller/ZumaPress

Esmagando as superbactérias

LONDRES – Os antibióticos atuais estão se tornando cada vez mais ineficazes, não só no combate a doenças comuns, como pneumonia e infecções do trato urinário, mas também no tratamento de várias infecções, como tuberculose e malária, que correm o risco de tornarem-se incuráveis novamente. Como os líderes do G-7 recentemente se comprometeram, em uma declaração conjunta, a abordar a "resistência aos antimicrobianos” (RAM), é a hora de incluir o G-20 e a China, que preside o grupo pela primeira vez, para elevar a luta a um outro patamar.

O fracasso em resolver o assunto da resistência aos antimicrobianos afetará a todos, independentemente da sua nacionalidade ou o nível de desenvolvimento do seu país. De fato, em 2050, 10 milhões de pessoas poderão ser vítimas da RAM, bem acima das 700.000 atualmente, com a China e a Índia contando cada uma com 1 milhão de pessoas nessas condições. Nesse ponto, uma estimativa de $100 trilhões do PIB global já terá sido perdido.

Nenhuma estratégia do G-7, por melhor que seja estruturada, pode ser bem sucedida sem o envolvimento do resto da comunidade internacional. Afinal, se as infecções viajam com as pessoas, assim como acontece com a resistência, significa que a única solução para a resistência antimicrobiana é o seu compartilhamento. É por isso que membros da Organização Mundial de Saúde concordaram em implementar um "plano de ação global na RAM" e fizeram com que a Nações Unidas convocassem uma reunião de líderes políticos de alto escalão, em 2016.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/hAqUuho/pt;