Water issues in Mexico Brent Stirton/Getty Images

Gerir a água é gerir a saúde

LONDRES – Com a aceleração das alterações climáticas, e com os seus efeitos a agravar outras crises geopolíticas e de desenvolvimento, o papel da protecção ambiental para a preservação e melhoria do bem-estar humano tornou-se fortemente evidente. Este reconhecimento está no centro do conceito de “saúde planetária,” que dá ênfase à saúde da civilização humana e à condição dos sistemas naturais de que a mesma depende.

A lógica deste conceito é simples: se tentarmos proporcionar uma saúde melhor a uma população em crescimento, sem considerarmos a saúde e a segurança dos nossos recursos naturais, não teremos apenas dificuldades no desenvolvimento de novas oportunidades, mas reverteremos o progresso já conseguido. Onde tudo se complica é na aplicação do conceito, especialmente na abordagem da relação entre os serviços hídricos, a saúde e a integridade dos ecossistemas.

Desde 1854, pelo menos, quando John Snow descobriu que a cólera se propagava através de reservas de água contaminadas no centro de Londres, que os humanos compreendem que a água poluída é má para a saúde. A degradação de ecossistemas de água doce provoca muitas vezes o aparecimento de doenças, do mesmo modo que a protecção ou o fortalecimento desses ecossistemas melhora os resultados sanitários.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/a5QPdGH/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.