Mohammed Abed/Getty Images

A Educação não pode Esperar

LONDRES – “Recordai o rosto do homem mais pobre e mais fraco que tenhais visto, e perguntai-vos se esta medida que considerais o ajudará de alguma forma”. Estas palavras, proferidas pelo Mahatma Gandhi em 1948, deveriam ser encaradas como um teste à nossa sinceridade, e um desafio à nossa complacência, quando pensamos no destino dos 30 milhões de crianças desalojadas dos seus lares por guerras civis e catástrofes naturais.

Em nenhuma altura desde 1945 as crises desenraizaram tantos rapazes e raparigas. Irão provavelmente gastar os seus anos de escolaridade sem entrar numa sala de aula, ficando os seus talentos por desenvolver e o seu potencial por libertar. Existem agora 75 milhões de jovens cuja educação foi interrompida por conflitos e crises. Porém, a urgência (e o direito internacional, que prevê a educação de todas as crianças desalojadas) não consegue suscitar a acção.

As crianças desalojadas terão maior probabilidade de se tornarem os trabalhadores mais jovens na fábrica, as noivas mais jovens no altar, e os soldados mais jovens nas trincheiras. Sem oportunidades, as crianças ficam vulneráveis aos extremistas e à radicalização. Todos os anos, perto de meio milhão de raparigas são vendidas e desaparecem.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/dPyzjRe/pt;