O 11 de Setembro Francês

PARIS – “O 11 de Setembro da França”. No rescaldo imediato do massacre na revista satírica Charlie Hebdo, a comparação com o ataque da Al Qaeda em 2001 aos Estados Unidos instalou-se por toda a França. Na verdade, o ataque de 7 Janeiro foi o mais assassino que a França conheceu desde o fim da Guerra da Argélia em 1962. Mas quão precisa é esta analogia?

À primeira vista, a comparação parece artificial e rebuscada. Morreram doze pessoas em Paris, ao passo que foram mortas quase 3.000 nos ataques a Nova Iorque e a Washington, DC. Os atacantes usaram Kalashnikovs, e não aviões sequestrados. E, ao contrário dos atacantes do 11 de Setembro, eram todos cidadãos do país que atacavam. É por isso que o ataque de 2015 em Paris é mais parecido com uma combinação de dois outros ataques: o atentado bombista ao Metro de Londres em 2005 (os terroristas eram todos cidadãos nacionais) e o ataque levado a cabo em 2008, em Bombaim (os terroristas usaram armas pequenas e visaram pessoas individualmente).

Contudo, apesar das importantes diferenças, os ataques em Paris e em Nova Iorque partilham da mesma essência. Ambas as cidades encarnam um sonho universal comparável. Ambas são metáforas para a luz e para a liberdade. Ambas pertencem ao mundo, e não apenas aos seus países respectivos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/vyG1V2x/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.