French police officer after Paris attacks. Tolga Akmen/London News Pictures via ZUMA Wire

Estamos em guerra

PARIS – Desde os ataques terroristas, em janeiro, na revista satírica Charlie Hebdo e num supermercado kosher, que os parisienses sabiam que a barbárie espreitava ao virar da esquina e que iria atacar novamente. Mas uma coisa é ter conhecimento de algo, antecipá-lo, e outra é ser confrontado com a dura realidade. Na sexta-feira à noite, a realidade atacou-nos com uma vingança. Estamos em guerra. Seria errado - até mesmo perigoso - não admiti-lo. E vencê-la exigirá clareza, união e firmeza.

A clareza de análise é o que mais precisamos agora. Nós mal conhecemos o nosso inimigo, exceto pela intensidade do seu ódio e pela profundidade da sua crueldade. Para entendermos a sua estratégia, temos de reconhecê-lo pelo que ele é: um adversário inteligente - e, à sua maneira, racional. Durante muito tempo, desprezámo-lo e subestimámo-lo. É urgente que agora mudemos a linha de ação.

Nas últimas semanas, a estratégia de terror do Estado Islâmico levou a morte para as ruas de Ancara, Beirute e Paris, e aos céus de Sinai. A identidade das vítimas não deixa dúvidas sobre a mensagem. “Curdos, russos, xiitas libaneses, franceses: Vocês atacam-nos, por isso nós vamos matar-vos”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/UyRqP8e/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.