Skip to main content

stiglitz263_In Pictures Ltd.Corbis via Getty Images_womenproteststarbucks In Pictures Ltd./Corbis via Getty Images

Basta de meias-medidas nos impostos sobre as sociedades

NOVA IORQUE – A globalização tem tido uma má reputação nos últimos anos e muitas vezes por boas razões. Mas alguns críticos, inclusive o presidente dos EUA, Donald Trump, atribuem as culpas de forma errada, evocando uma imagem falsa na qual a Europa, a China e os países em desenvolvimento encurralaram os negociadores comerciais dos Estados Unidos em maus negócios, levando aos atuais infortúnios dos americanos. É uma afirmação absurda: afinal de contas, foram os Estados Unidos – ou melhor, os Estados Unidos corporativos – que escreveram as regras da globalização em primeiro lugar.

Dito isto, há um aspeto particularmente tóxico da globalização que não recebeu a atenção que merece: a evasão fiscal corporativa. As multinacionais podem muito facilmente transferir as suas sedes e produções para qualquer jurisdição que cobre os impostos mais baixos. E, em alguns casos, elas nem precisam de deslocar as suas atividades comerciais, porque podem apenas alterar a forma como “registam” os seus rendimentos no papel.

A Starbucks, por exemplo, pode continuar a expandir-se no Reino Unido ao mesmo tempo que não paga quase nenhum imposto nesse estado, porque alega que os seus lucros no Reino Unido são mínimos. Mas se isso fosse verdade, a sua expansão contínua não faria sentido. Porquê aumentar a sua presença quando não há lucros? É óbvio que há lucros, mas eles estão a ser canalizados do Reino Unido para jurisdições com impostos mais baixos na forma de royalties, taxas de franquia e outros encargos.

Este tipo de evasão fiscal tornou-se uma forma de arte na qual as empresas mais inteligentes, como a Apple, sobressaem. Os custos agregados de tais práticas são enormes. Segundo o Fundo Monetário Internacional, os governos perdem pelo menos 500 mil milhões de dólares por ano como resultado da deslocação fiscal corporativa. E Gabriel Zucman, da Universidade da Califórnia, Berkeley, e os seus colegas estimam que cerca de 40% dos lucros no exterior feitos por multinacionais americanas são transferidos para paraísos fiscais. Em 2018, 60 das 500 maiores empresas – incluindo a Amazon, a Netflix e a General Motors – não pagaram impostos nos EUA, apesar de apresentarem lucros conjuntos (em termos mundiais) de cerca de 80 mil milhões de dólares. Essas tendências estão a ter um impacto devastador nas receitas fiscais nacionais e a prejudicar o senso de justiça da opinião pública.

Desde o final da crise financeira de 2008, quando muitos países se encontravam com graves dificuldades financeiras, houve uma crescente necessidade de se repensar o regime global de tributação das multinacionais. Um grande esforço é a iniciativa Erosão da Base Tributária e Transferência de Lucros (BEPS) da OCDE, que já produziu benefícios significativos, restringindo algumas das piores práticas, como a que está associada a empréstimos de dinheiro entre filiais. Mas, tal como mostram os dados, os esforços atuais estão longe de ser adequados.

O principal problema é que a BEPS oferece apenas correções com retalhos a um status quo fundamentalmente imperfeito e incorrigível. Sob o “sistema de preços de transferência” predominante, duas filiais da mesma multinacional podem trocar bens e serviços além fronteiras e, em seguida, valorizar esse comércio “em condições de igualdade de concorrência” quando declaram receitas e lucros para fins fiscais. O preço que eles pagam é o que eles afirmam que seria se os bens e serviços estivessem a ser trocados num mercado competitivo.

Subscribe now
ps subscription image no tote bag no discount

Subscribe now

Subscribe today and get a free copy of our new magazine, Sustainability Comes of Age, along with unlimited access to OnPoint, the Big Picture, the entire PS archive of more than 14,000 commentaries, and our annual magazine, for less than $2 a week.

SUBSCRIBE

Por razões óbvias, esse sistema nunca funcionou bem. Como é que alguém avalia um carro sem motor ou uma camisa sem botões? Não há preços de mercado, nem mercados competitivos, aos quais uma empresa possa fazer referência. E as questões são ainda mais problemáticas no setor de serviços em expansão: como é que se avalia um processo de produção sem os serviços de gestão fornecidos pela sede?

A capacidade das multinacionais de beneficiarem do sistema de preços de transferência aumentou, à medida que o comércio dentro das empresas aumentou, à medida que o comércio de serviços (em vez de bens) se expandiu, à medida que a propriedade intelectual cresceu em importância e à medida que as empresas melhoraram na exploração do sistema. O resultado: transferência em larga escala de lucros transfronteiras, levando a menores receitas tributárias.

É revelador que as empresas americanas não estejam autorizadas a usar preços de transferência para distribuir lucros nos EUA. Isso implicaria a repetida fixação de preços nos bens sempre que atravessassem e voltassem a atravessar as fronteiras entre os estados. Em vez disso, os lucros corporativos dos EUA são distribuídos por diferentes estados numa base estereotipada, de acordo com fatores como emprego, vendas e ativos em cada estado. E tal como a Comissão Independente pela Reforma da Taxação Corporativa Internacional (da qual sou membro) mostra na sua última declaração, esta estratégia é a única que funcionará a nível mundial.

Por sua vez, a OCDE emitirá em breve uma proposta importante que poderá movimentar um pouco o quadro atual nessa direção. Mas, se as informações que circulam sobre o seu conteúdo estiverem corretas, ainda assim não seria suficiente. Se for adotada, a maior parte das receitas corporativas ainda seria tratada com a utilização do sistema de preços de transferência, com apenas uma parcela “residual” distribuída numa base estereotipada. A lógica para essa divisão não é clara; o melhor que se pode dizer é que a OCDE está a canonizar o gradualismo.

Afinal de contas, os lucros corporativos declarados em quase todas as jurisdições já incluem deduções pelo custo de capital e juros. São “residuais” – lucros puros – que surgem das operações conjuntas das atividades mundiais de uma multinacional. Por exemplo, de acordo com a Lei de Redução dos Impostos e Empregos nos EUA de 2017, o custo total de bens de capital é dedutível, além de uma parte dos juros, o que permite que o total dos lucros declarados seja substancialmente menor do que os lucros económicos reais.

Dada a escala do problema, é evidente que precisamos de um imposto mínimo global para acabar com o atual nivelamento por baixo (o que não beneficia ninguém a não ser as corporações). Não há provas de que uma tributação mais baixa no mundo leve a mais investimentos. (É claro que, se um país reduz o seu imposto em relação a outros, pode “roubar” algum investimento; mas essa estratégia de “empobrecer o vizinho” não funciona a nível global). Uma taxa global mínima de imposto deve ser fixada a uma taxa comparável à média atual do imposto sobre as sociedades efetivo, que é de cerca de 25%. Caso contrário, as taxas globais dos impostos sobre sociedades convergirão para o mínimo e o que se pretendia ser uma reforma para aumentar a tributação das multinacionais acabará por ter o efeito oposto.

O mundo está a enfrentar várias crises – incluindo alterações climáticas, desigualdade, crescimento lento e infraestruturas degradadas – e nenhuma delas pode ser resolvida sem governos com bons recursos. Infelizmente, as atuais propostas de reforma da tributação global simplesmente não vão longe o suficiente. As multinacionais têm de ser obrigadas a fazer a sua parte.

https://prosyn.org/g3WgFSp/pt;
  1. sierakowski47_Carsten KoallGetty Images_kyczynskiangryshadow Carsten Koall/Getty Images

    The Survival of Democracy in Central and Eastern Europe

    Sławomir Sierakowski

    Following parliamentary elections in Poland and local elections in Hungary, populist autocrats in both countries remain in power, where they will continue to undermine democratic institutions. Even so, relative victories for opposition forces in both countries show that the region's "illiberal democrats" are not unbeatable.

    0
  2. tharoor133_Drew AngererGetty Images_modihandsout Drew Angerer/Getty Images

    India’s Modi Slowdown

    Shashi Tharoor

    After Prime Minister Narendra Modi was overwhelmingly re-elected in May with an even larger majority for his party, many economists expected him to take bold steps to remove the many bottlenecks that have discouraged investors. But no one should believe the Modi government has the ability or the will to fix what it broke.

    3
  3. drew47_Drew AngererGetty Images_trumpgiulianasmiling Drew Angerer/Getty Images

    Will Trump Be Removed from Office?

    Elizabeth Drew

    Assuming the US House of Representatives votes to impeach President Donald Trump, the fact remains that there are far fewer votes in the Senate than will be needed to convict him and remove him from office. But the willingness of Congress – including the Senate – to continue tolerating his dangerous conduct is now truly in question.

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions